“Chegou não como quem nada quer, mas deixando claro que muito queria, e que esse muito incluía meu coração. E o mais engraçado é que ele só descobriu isso depois que o mesmo foi dele arrancando. Por muito tempo entreguei meu coração a ele, deixei em suas mãos, e só o que ele sabia fazer era amaçar, apertar, ou seja, machucar. Fazia-me de gato e sapato. Usava-me como se em mim não houvesse sentimentos. Eu sempre tentando fingir, sempre tapando meus olhos para a realidade, sempre correndo da verdade. Eu não queria admitir que eu não passava de um brinquedo em suas mãos. Não queria admitir a mim mesma que o sentimento que tinha por ele não era reciproco. Era demais pra mim. Mais quer saber o que é demais pra mim hoje? Demais pra mim é me submeter a reviver os momentos com ele. É me submeter a ser usada outra vez. Eu não quero ser como uma laranja que ele amassa um pouco, depois outro pouco, e no final estar só o bagaço, ou como um papel higiênico o qual a pessoa vai tirando pedaços, pedaços, e no final, bem, no final sobre só aquele rolinho do meio. Bagaço de laranja e rolinho do meio de papel higiênico não presta pra nada além de ocupar um espaço na lixeira. Eu não me submeteria a isso. Não me submeterei a ser jogada fora como se fosse um lixo, porque eu sei do meu valor, sei que ele é alto, impagável? Talvez. Para alguns. Para ele. Ele que chegou como querendo muito o meu coração, e quer saber? Ele foi embora de novo… Mas dessa vez foi embora querendo.”
F-ragmentadas

“Poderia ser comparada a um sonho bom, mas é mais que isso. O nosso amor é poesia escrita com o melhor lápis, no melhor papel, pela melhor mão. O nosso amor poderia ser comparado a lua, mas ainda assim não seria uma comparação a altura, pois o nosso amor é mais belo do que o lindo conjunto que o céu traz pela noite. Poderia também ser comparado a uma bela letra e uma bela melodia, mas ate a nossa respiração forma uma mais bela sintonia. Nosso amor poderia ser comparado com qualquer coisa que seja magnifica, mas a mesma não chegaria nem aos pés. Nosso amor é incomparável, é magico, coisa que ninguém nunca vai entender, nunca vai sentir. Amor igual ao nosso não há de existir.

“Um leve sereno é capaz de ofuscar o sol que começa a nascer lá fora. Uma ponta de dor é capaz de impedir-me de agradecer por mais esse dia. As janelas estão abertas, as cortinas balançam, balançam, até que se abrem. Seria vento? Solidão? Que seja. Um é sinônimo do outro. Se tiver vento, está sempre com ele a solidão. E vice e versa. O eco da minha voz melancólica, perguntando o porquê da sua ausência toma conta de toda a casa. Meus passos trazem o som de serenidade, mas são dados com desespero. Vou em direção à porta e a abro na esperança de que ao invés de serenar, se faça presente ali uma serenata, com pedidos de perdão, com rosas jogadas ao chão, com você quase entregando a mim o seu coração, mas apenas o que ouço é o barulho das luzes da rua se apagando, assim como a minha esperança. Sinto o cheiro da tristeza, entrando nos meus pulmões, até que encharca o coração, acaba transbordando. Veja só, lagrimas frias escorrendo pelo meu rosto tem gosto de arrependimento… É, por ser tão tola, ter deixado você roubar meu pobre coração e rasga-lo, tão revoltado e tão lindo, tão idiota e tão divertido… Que droga de joguinhos, sempre perco pra você nesse lance de esquecer, de partir e de fingir que nunca aconteceu.”
F-ragmentadas

“Poderia ser comparada a um sonho bom, mas é mais que isso. O nosso amor é poesia escrita com o melhor lápis, no melhor papel, pela melhor mão. O nosso amor poderia ser comparado a lua, mas ainda assim não seria uma comparação a altura, pois o nosso amor é mais belo do que o lindo conjunto que o céu traz pela noite. Poderia também ser comparado a uma bela letra e uma bela melodia, mas ate a nossa respiração forma uma mais bela sintonia. Nosso amor poderia ser comparado com qualquer coisa que seja magnifica, mas a mesma não chegaria nem aos pés. Nosso amor é incomparável, é magico, coisa que ninguém nunca vai entender, nunca vai sentir. Amor igual ao nosso não há de existir.”

“É difícil me ver sem ele, na verdade, foi um baita de um desafio que a vida me impôs. Não estou sendo demasiada quando digo isso, não sou mais uma dessas que acha que com ele não consegue viver. Não. É que é difícil, é como ter que lidar com uma parte do corpo amputada. A ausência dele na minha vida é uma intimação da vida a mim: “Ou você anda sozinha, refaz seus sonhos, reconstrói seu planos sem que ele esteja em sequer um deles, ou nada.” Eu sou obrigada a optar por recomeçar. E recomeçar não é fácil, quanto mais recomeçar sem quem a gente tanto ama. Eu estava acostumada com aquele sorriso no meu dia-a-dia, não era fácil viver sem ele comigo, mas foi assim que a vida quis, longe dele. Talvez seja uma forma de mostrar que ele não é a minha real felicidade, mas e daí? No momento era ele que trazia tal sensação. Apesar de saber que precisava seguir minha vida, lutar pelos meus outros sonhos, eu queria ele do meu lado, queria que ele fizesse parte de todos os meus obstáculos e que não se tornasse mais um obstáculo no qual eu tinha que passar por cima.”

O amor é cego, mudo e surdo.
Dizem por ai, que quando nos apaixonamos, a gente sempre costuma ficar meio besta. Cantamos, dançamos, rimos a toa. Costumamos ver aquele tal ”pessoa” toda perfeita e coloca-la em um tipo de campo de ilusões… Sempre esquecemos de lembrar que ninguém é perfeito e que também nunca devemos depositar muitas esperanças nas pessoas. Devemos confiar, mas nem tanto, devemos amar, mas nem tanto… É como álcool, é divertido mas se passar da conta sempre acaba dando dor de cabeça. Acreditamos demais em pessoa de menos. Não percebemos o que estamos fazendo e somos bestas o bastante para deixar de escutar o que os outros falam, aliás, a pessoa é perfeita não é mesmo? Não. Não é mesmo! Isso são apenas reações da ação que amar nos traz. Uma reação que se não for equilibrada pode nos levar a um poço bem fundo. Porque não adianta tapar os ouvidos, fechar os olhos, e esconder dentro de si tudo o que explode lá dentro só pra não cobrar nada da pessoa que costuma chamar de “meu amor”, não há alguém nesse mundo que seja boa o bastante pra não precisar levar nenhum cutucão. Ah pessoas tão fúteis por ai fazendo juras de amor, idiotice… Amor não se jura, amor se cumpre. Amor se surpreende, amor é inesperado, ninguém nunca espera amar, assim como nunca ninguém esta pronto pra amar. Deve ser por isso, se lamenta por não ser amado, mas nunca soube amar de volta. Já pensou assim? Já tampou os ouvidos, os olhos e o coração pro amor? Digo, se estiver apenas com a cabeça funcionando, pensando em sofrer e sofrer não vai funcionar! Não mesmo. Então, não se feche, não pro amor.”

“Hoje, depois de muito tempo, liguei para meu melhor amigo. Combinamos de sair, andar por aí sem destino e hora certa pra voltar. Não comentamos o motivo de tanto afastamento, até porque, se nos conhecemos bem, relembrar uma briga só faria começar outra. De tempo em tempo a gente faz esse tipo de coisa, sabe? Ficar tempo sem se falar, como se quiséssemos testar nossa amizade, isso acontece quando falamos coisas dolorosas um ao outro, típico de quem se conhece de mais e tem certeza no que diz, mas não tem certeza da reação. Combinamos de rachar os gastos, até porque, ele sempre fez questão de não pagar tudo sozinho. Eu comprei as balas, ele os chicletes. Ele compro o cigarro. Por ter comprado o cigarro eu comprei a vodka. Bebemos, esbanjamos, e depois veio à calmaria. E foi essa calmaria que me fez relembrar-me de como seu ombro sempre fora o lugar ideal pra eu encostar minha cabeça em tempos difíceis e confusos. Eram raros os momentos em que dizíamos o que sentíamos um pelo outro, mas quando entrelaçávamos os dedos, era ali que tínhamos certeza do amor um do outro. Rimos, rimos muito relembrando daquele tempo doido aonde nossas prioridades eram transar, beber e curtir. Não nessa ordem necessariamente. Ele me contou dos lugares que viajou e as mulheres que se deitou, eu ouvia como quem realmente tivesse interesse nos romances dele “Eu disse á ela que meu amor era dela por aquela noite, ela não entendeu.” eu ria da sinceridade dele “Elas não tinham assuntos infinitos…” ele diz olhando pra mim, eu também tinha saudades de ficar horas conversando com ele. Ele também riu quando eu disse “Eu disse pra ele não reparar nos meus chiliques, e acredita que ele não reparou? Definitivamente, ele não entendia as mulheres!” Tampouco ele também, mas ele tenta me entender, e quando não consegue, ao contrário dos outros, ele fica. E quando vai, por mais que demore, ele sempre volta. E por mais que briguemos, nos reconciliamos. Não temos ciúmes um do outro, o que temos pessoa nenhuma no mundo substitui. Somos para sempre. Ainda que ele se mude, case e tenha filhos. São doze anos. Ele me contou da sua próxima viagem, seis meses fora. Disse-lhe que pretendo escrever um livro. Ele quer ser o primeiro a ler. Às vezes eu to falando e ele me corta, completando o que eu ia dizer. Ele não adivinha minha próxima fala, ele sabe. Somos extremamente egocêntricos e orgulhosos, mas… Todas as vezes que foi preciso ele correr atrás de mim ou eu dele esquecíamos completamente desse detalhe. Não havia orgulho maior que nós. Todo mundo dizia que eu era perdida, ele sempre me achou. Ele sempre foi uma das melhores pessoas pra mim, ainda que todo resto diga que não. Eu já vi ele de aparelho e ele já me viu de cabelo descolorido e quebrado. Ele já comprou meu teste de gravidez e dizia sempre ser um ótimo pai ao filho que não era dele. E ainda que eu nunca tenha amado daquele jeito que todos diziam, meu melhor amigo é meu único amor verdadeiro. Por que ele volta, e quando vai seu coração fica.
Historiógrafa, em: Meu melhor amigo.

“Para ela amor é nada mais do que uma carência. Um desejo. Os quais quando for trocado carinhos, ou quando a pessoa simplesmente cansar da outra, acaba. Para ela amor não tem nada de eterno, alias, nem em eternidade ela acredita. Já para mim, ah, para mim amor era tanto. Amor é como diz Machado de Assis, uma absoluta transfusão de alma para alma, ou seja, um ser é feito para o outro. Amor é êxtase. Eu acredito, tenho quase convicção de que ela nunca viveu um amor. Coitada! Não deixa o coração bater asas e voar, não deixa o coração ter fé de que um dia o homem que pra ela foi feito a encontrará. Coração cheio de amargura. Cheio de solidão. Pobre moça, ainda não sentiu o gosto amargo do amor, quer dizer, ainda não sentiu nem o doce. Pois, só quem já amou aqueles amores amados sabe do que eu estou falando, aqueles amores, na verdade é apenas um ”amor” mas com várias mudanças, ou até mesmo melhorias. Amor, que tem sempre os seus lados; o lado doce o do começo, o primeiro beijo de amor é o melhor, até virem os outros e enfim a duvida de que esse será o último, alguns nunca sabem. Tem o lado amargo, o gelado, o enjoativo e cansado. Mas cada pessoa tem seu jeito de amar, nem todas merecem o melhor lado, e nem todas sabem amar. Todos devemos amar, mas me refiro ao amor entre duas pessoas, dois corpos e um sentimento. Aquela coisa clichê e tal. Todo mundo precisa de um pouco de clichê na vida, por mais que diga que odeia, realmente sei que ama escutar um ”você é tudo pra mim” ou ”estou com saudades” e até mesmo ”eu te amo”. Vamos lá, arrisque-se pois, como diz aquele velho ditado: Quem não arrisca não…Ama?”
F-ragmentadas

“Eu quero que você demonstre, não que guarde. Mostre para mim qual é a sensação quando me ver chegar abrindo um longo sorriso logo em seguida de um forte abraço. Mostre-me como se sentes quando está em minha companhia. Tua mãos soam como as minhas? Tuas pernas ficam bambas a cada sorriso meu, como é exatamente comigo? Como se sente? Diga-me. Diga cada palavra que conseguir. Tente pelo menos. Tente da sua forma, mas tente. Tanto com pequenos gestos ou até mesmo grandes. Eu sei que apesar desse teu jeito frio e amargo, existe um coração amigável, um coração amável que está pronto para mostrar ao mundo como se sente quando vê alguém como eu, talvez especial, talvez não…Fale-me, pode se abrir comigo e sabe disso, estou aqui pra escutar tudinho o que quiser me dizer. Querido, sabe o quanto é importante pra mim saber, ou melhor, ouvir as coisas diretamente de você? É importante pois quando escuto o som da sua voz tudo se acalma, com você também é assim? Eu gosto de escutar você reclamando da vida, e de como o seu chefe é idiota, mas tudo bem, o meu também é. Gosto de quando você faz o mundo valer a pena simplesmente fazendo carinho no meu cabelo no final da tarde, faz como se todo o estresse do meu dia se fosse, as suas mãos tocando a minha pele é como se eu tivesse vivido todo esse tempo só pra no final do dia ter você do meu lado; Eu consigo te amar a cada vez que respiro, consigo ser feliz um pouquinho mais a cada sorriso seu…Me diz agora, então, é reciproco meus sentimentos por ti? São ao menos bem recebidos por você? Diga me, ame-me.”
F-ragmentadas